Declarando seus impostos

Categoria Estilo de vida na cidade de Québec Data 11/08/2014

Escrito porMasaru Hoshi

Quem era acostumado a fazer a declaração do seu imposto de renda quando ainda morava no Brasil com certeza já estava acostumado com a rotina: juntar contra-cheques, comprovantes de idas ao médico, dentista, aulas das crianças, extratos do banco e tudo o mais. Quem tinha paciência pra « brincadeira », fazia o download do programa da receita federal e entrada tudo o que precisava. Quem não confiava muito em si próprio ou tinha pouco tempo acaba optando por contratar os serviços de um contador, entregava toda a sua papelada e se via livre de tudo isso.

E então você chega no Québec e descobre que aqui, como em vários outros lugares, você também precisa declarar seus impostos e as diferenças não são tão óbvias quanto parecem. A regra é clara: toda pessoa com um número de seguro social (NAS/SIN) que recebeu rendimentos durante o ano precisa declarar seus impostos para o Governo. Mas então, como isso funciona?

Existem duas declarações

Pois é, essa é a primeira e grande diferença. Como você recolhe impostos para o governo Federal e para o Provincial você também precisa declarar para ambos. Tanto o Canada Revenue Agency quanto o Revenu Québec têm suas próprias documentações e regulamentações que você deve seguir e enviar para cada um. A primeira grande vantagem é que ambos o órgãos têm documentações muito bem feitas e detalhadas que você pode consultar.

Sua primeira declaração é feita em papel

Se assustou com a idéia? Infelizmente é verdade. Sua primeira declaração no Canadá deve ser feita em formulários de papel que podem ser impressos diretamente dos sites das agências ou comprados geralmente em papelarias. Isso porque, quando você faz sua primeira declaracão você « não existe » oficialmente nos sistemas dessas agências. Pode parecer estranho já que quando você recebe seu salário você consegue ver destacado o valor recolhido tanto pro governo Federal quanto para o Provincial. Lembre-se: a informática é uma caixinha de surpresas.

Mas não há motivo pra desespero. Ambos os formulários são muito bem detalhados com instruções do que deve ser preenchido em cada campo e o que significa cada coisa. Claro que vai haver termos que você não tem a menor idéia do que seja, vai bater aquele desespero na hora de preencher e você vai sair perguntando pra todo mundo o que é isto ou aquilo. De novo, não há motivo pra desespero. Está tudo no site das agências e basta paciência e um pouco de bom senso pra descobrir o que tudo significa.

As declarações seguintes ficam mais « simples »

Uma vez que você faça sua primeira declaração, você « passa a existir » oficialmente nos sistemas das agências dos governos. A primeira « vantagem » disso é que a partir do ano seguinte você vai poder enviar sua declaração pela Internet e não mais vai precisar preencher formulários de papel.

Funciona basicamente assim: você vai receber cartas de ambas as agências informando quais são seus códigos de acesso aos respectivos sites. De posse desses códigos você pode criar uma conta e a partir daí vai ter acesso a diversas informações sobre sua vida fiscal: as declarações dos anos anteriores, seu limite de contribuição para o REER (regime de aposentadoria privada), atualizar seus dados de contato e várias outras informações, além daquela seção onde você vai poder enviar o arquivo com a sua declaração.

NÃO PERCA ESSAS CARTAS! Sem esses códigos você não tem acesso ao sistema e dai vai ter que fazer tudo no papel mesmo! 

Cada agência tem seu próprio sistema e você deve seguir as instruções de cada uma para criar sua conta. Pode ser que você receba sua senha de ativação pelo correio e isso deve demorar alguns dias; em alguns casos até mais de uma semana. Por isso mesmo, não deixe para a última hora. Acesse os sites e verifique o que é necessário para criar sua conta em cada um deles.

Os programas que fazem a declaração não são de graça

É. Essa questão de ter um software feito pelo governo, que você pode baixar de graça, fazer sua declaração em casa, que faz backup dos seus dados e tudo o mais não existe aqui. Essa « vantagem » tecnológica acaba com os sites das agências e você poder enviar os arquivos das declarações por eles.

Mas não tem motivo pra desespero. Apesar do governo não fornecer esses softwares existem sites e programas feitos por empresas e certificados pelas agências que podem ser comprados e baixados, que oferecem inúmeras vantagens para o usuário, tal como fazer ambas as declarações ao mesmo tempo, com ajudantes que te permitem otimizar a sua declaração de forma a aumentar a restituição que você pode vir a receber, imprimir cópias de segurança, aproveitar dados das declarações dos anos anteriores, etc. Alguns software te dão inclusive dicas que vão te permitir planejar sua vida financeira. Isso é especialmente útil se você não é alguém muito familiarizado com o sistema fiscal do Canadá e do Québec.

Se mesmo assim você não confiar no que está fazendo, procure um profissional
Pode ser que mesmo com softwares, manuais, sites e tudo o mais você não esteja seguro do que está fazendo ou simplesmente achou tudo complicado demais. Se for o seu caso, não precisa se desesperar. Existem empresas e profissionais que oferecem o serviço de consultoria e assessoria para a declaração dos impostos de renda. Alguns desses profissionais fazem esses serviços sem custo algum enquanto outros cobram uma pequena quantia pelo tempo dispensado com você. Não existe uma regra clara quanto a isso. Pesquise na sua região e com seus colegas sobre quem oferece esses serviços. Existem mais opções do que pode parecer, basta saber o que você está procurando.

Minhas dicas

  1. Não deixe pra quando chegar a hora de fazer sua declaração para começar a entender como funciona a declaração de impostos. Procure sessões de informação ou empresas que trabalham com isso para começar a esclarecer suas dúvidas;
  2. Independente se você vai fazer suas próprias declarações ou contratar alguém para fazê-las, organize seus documentos. Crie um envelope com todos os papéis que vai precisar para fazer sua declaração: formulários T4, Relevé 1, recibos de médicos e especialistas, dentista, extratos do REER, recibos de gastos com transporte, educação das crianças, serviço de cuidados dos seus filhos (garderie, service de garde, cursos e atividades esportivas);
  3. Monte um checklist do que vai precisar. Algumas vezes acontece de você não receber todos os documentos que precisa pelo correio, principalmente de cursos e atividades esportivas com as crianças. Vá atrás dos recibos diretamente nos órgãos e empresas;
  4. Mesmo que os Governos não exijam que sejam enviados todos os recibos dos gastos declarados, guarde-os em um lugar seguro, de preferência nos mesmos envelopes que você os guardou inicialmente. A chamada « malha fina » existe e pode ser que você seja cobrado por isso. Geralmente é quando os recibos vão ser exigidos e você vai ter que fornecê-los sob pena de uma salgada multa;
  5. Confira seus holerites mensalmente e verifique se os descontos estão sendo feitos corretamente. Você tem sempre a opção de aumentar o valor recolhido de impostos na fonte. Pode parecer estranho mas em alguns casos vale a pena aumentar a declaração recolhida na fonte para compensar outros gastos ou investimentos que você possa vir a fazer. Nesses casos, informe-se no RH da sua empresa para saber qual formulários devem ser preenchidos;
  6. Se você tiver em dúvida ou inseguro quanto às suas finanças, consulte um especialista financeiro. Os serviços desses profissionais são gratuitos e são muito úteis para planejar seu futuro ou seus planos de investimento. Bancos e empresas de investimentos são os lugares ideias para encontrar esses profissionais.

Quer saber como obter seu NAS? Leia este artigo da Familia Potier sobre como obtê-lo.